Como funcionam os algoritmos do Google: Panda e RankBrain?

Por DINO 2 de maio de 2018
Como funcionam os algoritmos do Google: Panda e RankBrain?

Dicas de como aparecer em destaque nas buscas orgânicas do Google (SEO) são úteis. Porém, mais importante ainda, é entender como funciona o mais importante mecanismo de pesquisa da internet. Basicamente, é necessário saber o que são o Panda e o Rankbrain — e os impactos que eles têm em SEO.

Lançado em fevereiro de 2011, o Panda é um extenso e complexo algoritmo que define em que ordem serão apresentados os resultados orgânicos da busca que um determinado usuário faz pelo Google. Ele foi criado com o propósito de reduzir o destaque para sites de baixa qualidade, que anteriormente eram bem ranqueados bem graças a artimanhas baratas, como o uso de fazendas de links.

O Panda foi o principal critério de definição dos resultados de buscas do Google até 2015, quando passou a ter a companhia do RankBrain, uma forma ainda mais sofisticada para que se defina qual conteúdo é mais relevante para o usuário.

O RankBrain é um sistema de machine learning (ou aprendizado de máquina, em português) que permite ao Google compreender o que um usuário está efetivamente buscando quando digita determinados termos em seu campo de pesquisa.

Machine learning é um subcampo do desenvolvimento da inteligência artificial. De maneira informal, o Search Engine Land o define como “uma forma de o computador ensinar a si mesmo como fazer algo em vez de esperar que os humanos o orientem por meio de programação”.

 
dino divulgador de notícias

De forma sintetizada, o Google utiliza o Panda como o algoritmo que processa os dados das 3,5 bilhões de pesquisas diárias feitas por seus usuários. O RankBrain é a aplicação de uma forma de inteligência artificial capaz de “aprender” como os usuários se comportaram nas buscas passadas — e, assim, antever como se comportarão de agora em diante.

Por que compreender Panda e RankBrain?

Todos os anos são publicados livros sobre as técnicas de SEO para o ano que se inicia.

Em tese, a última edição — no caso da imagem acima, a de 2018 — é a mais atualizada. Ou, melhor, a menos desatualizada. Afinal, o Google faz modificações no Panda, seu algoritmo, pelo menos 600 vezes por ano. São, portanto, quase duas mudanças por dia. A não ser que a versão do livro no Kindle seja atualizada com a mesma frequência, as dicas estarão a cada dia mais obsoletas.

Isso não significa que as dicas oferecidas pelos livros sejam inválidas. São úteis, sim. Afinal, a maioria das mudanças no Panda afetam pouco — ou nada — a posição dos sites no ranqueamento do Google. O problema é que, sem acompanhar minimamente as evoluções de SEO, você corre o risco de atribuir importância exagerada a certos elementos ou ignorar recomendações importantes.

Por exemplo, em 2014, a declaração de palavras-chave para cada post tinha grande importância no ranqueamento. O Panda se guiava por elas em grande medida. Hoje, porém, é a semântica que importa mais. Graças ao RankBrain, o Google analisa o conjunto de palavras e frases de um texto e, a partir da inteligência de seus algoritmos, determina o que é mais relevante. Neste exemplo, portanto, uma premissa do Panda deixou de ser importante à medida que o RankBrain ganhou força — e agora você entende o porquê.

Como ranquear hoje?

Há dois fatores que realmente contam para ranqueamento: conteúdo de alta qualidade e bons sites apontando link para o seu. Isso foi dito no vídeo abaixo (em inglês) por Andrey Lipattsev, estrategista sênior de Qualidade de Busca no Google da Irlanda.

Andy Crestodina, fundador da Orbit Media, de Chicago, é um especialista em produção de conteúdo focado em SEO. Ele explica que o trabalho hoje diz mais respeito a conteúdo do que a questões técnicas.”

“A parte técnica é simples. Você configura o site uma única vez. Há, inclusive, muitas ferramentas gratuitas que ajudam nessa tarefa. Já o conteúdo focado em ranqueamento é uma missão diária”.

Ranqueamento com o RankBrain

Otimizar texto para o RankBrain é fácil. Quem afirma isso é o site americano The SEM Post. Ele recomenda escrever de forma natural, focada no leitor, e não no Panda.

“Tente escrever um conteúdo que soe humano. Se você tentar escrever como uma máquina, o RankBrain vai ficar confuso e, provavelmente, vai jogar você para o fim da lista.”

O Search Engine Journal vai na mesma direção.

“Pergunte aos seus leitores se o texto está natural. Pergunte se está mais parecido com uma conversa cotidiana. Se sim, então ele estará otimizado para o RankBrain.”

Informalmente, muitos especialistas em marketing dizem que o “SEO morreu”. Na verdade, não morreu. Ele está mais vivo do que sempre. A diferença é que o Google, graças ao RankBrain, cada vez mais aprende como o ser humano se comporta.

Ranqueamento com o Panda

Se o RankBrain premia conteúdo criado de seres humanos para seres humanos, o Panda, por sua vez, funciona também como uma espécie de fiscal. Está sempre atento a possíveis infrações que o Google não tolera. Segundo o MOZ, algumas das principais falhas que um site pode cometer são estas:

  • Produzir conteúdo pequeno, sem profundidade e sem prover valor para os leitores.
  • Usar fontes de informação de baixa autoridade ou confiabilidade. Faça links, sim, mas certifique-se de que eles apontam para sites de alta qualidade.
  • Publicar conteúdo gerado pelo usuário (UGC), como guest posts curtos ou cheio de erros gramaticais e de digitação.
  • Exibir um número excessivo de anúncios na página, dando mais prioridade à propaganda do que ao conteúdo original.
  • Inserir links de programas de afiliação paga que apontem para páginas de baixa qualidade.
  • Ter o site bloqueado por leitores, principalmente usuários do Chrome que baixam uma extensão que bloqueia certos sites.
  • Criar conteúdo com títulos que funcionam como iscas, bem chamativas. Depois do clique, porém, o usuário descobre que o conteúdo não corresponde à expectativa criada pelo título.

Se uma dessas técnicas for desrespeitada, ainda que acidentalmente, a posição de seu site no Google pode cair.

Takeaway

A melhor forma de se ganhar destaque no Google é produzir conteúdo de altíssima qualidade, que soe humano, pois é isso que o RankBrain quer. E tomar pequenos cuidados para que regras do Panda não sejam acidentalmente infringidas.

Aula Online

O mesmo conteúdo desse post está disponível em formato de vídeo:

Esse post foi tema de podcast

Felipe Pestana, sócio do DINO, discutiu esse mesmo tema no Podcast-se, o podcast da Comunique-se.

SEO
NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre comunicação e negócios

O responsável pelo tratamento dos seus dados pessoais é o DINO Divulgador de Notícias. Estes dados serão utilizados para lhe enviar informativos sobre os nossos serviços, além de utilizarmos para efeitos estatísticos. Para mais informações sobre como utilizaremos os dados, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.

Ao utilizar este formulário você concorda com a nossa Política. O DINO Divulgador de Notícias pode compartilhar estes dados com outras marcas do Grupo Comunique-se para a mesma finalidade.

Caso deseje se desinscrever, você pode fazê-lo a partir de algum e-mail já recebido (através da função descadastrar) ou nos contatando a partir do e-mail [email protected]

Para exercer os seus direitos de usuário para retificação ou remoção dos dados sensíveis, contate-nos através do e-mail [email protected]