Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: resolva as principais dúvidas do dia a dia

Por DINO 27 de maio de 2016
Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: resolva as principais dúvidas do dia a dia

Assinado em 1990 por países membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa foi ratificado pelo Brasil em 2008 e implementado sem obrigatoriedade no ano seguinte. Após polêmicas e críticas da sociedade, o Acordo que deveria ser obrigatório de fato em 2013, teve que ser adiado pelo governo brasileiro para 1º de janeiro de 2016. Agora é obrigatório mesmo!

A língua portuguesa é uma das mais difíceis no mundo. Sempre tivemos dúvidas ao escrever e pronunciar algumas expressões. Agora, com estas mudanças, muita coisa passou a ser ou deixou de ser, o que tornou a vida dos brasileiros, principalmente de escritores, jornalistas, alunos do ensino básico e de universidades, vestibulandos e concursandos, entre outros, cada vez mais difícil.

Para quem tem interesse e, até mesmo necessidade de atualizar-se para evitar equívocos na hora de escrever, fizemos uma seleção de algumas das alterações ou inclusões presentes no Acordo. Ressaltamos que são apenas algumas. Talvez as que mais nos deixam em dúvida no dia a dia.

 

6 alterações do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

1. Alfabeto

Antes era composto por 23 letras; agora passou a ter mais três totalizando 26 com o retorno oficial das letras k, w e y.

2. Trema

Muita gente não sabe o que é, mas a trema era aqueles dois pontinhos lado a lado em cima do u, como no antigo caso da expressão “tranqüilo”, que agora não existe mais. Olha que maravilha! Ah! mas a trema continua em substantivos próprios como é o caso de Müller, por exemplo.

 
dino divulgador de notícias

3. Acento diferencial

Lembra dele? Era utilizado para diferenciar, por exemplo, o para (verbo) do para (preposição), que utilizávamos o acento agudo no primeiro ‘A’. Hoje, já não tem mais. Assim como mais três exemplos: pelo (preposição) de pelo (substantivo); polo (substantivo) de polo (preposição arcaica); e pera (substantivo) de pera (preposição arcaica). Vale lembrar que os verbos pôr e pôde continuam com acento.

4. Acento circunflexo

As letras dobradas de hiatos perderam o acento. Veja alguns exemplo: enjoo, perdoo, voo, veem, deem, leem etc.

5. Acento agudo

• Nos ditongos abertos em éi e ói o acento não existe mais. Casos de assembleia, paranoia, ideia, joia etc.

• Ele não existe mais no i e no u após ditongos. Exemplos: feiura, cheiinho etc.

6. Hífen

Chega até dar arrepio. Muita coisa mudou, portanto, é preciso atenção. Veja algumas casos:

Com hífen

Prefixo + palavra iniciado com H: super-homem,  pré-história etc.

Prefixo que termina com vogal + palavra inciada pela mesma vogal: micro-ondas, semi-interno etc.

Prefixo terminado com consoante + palavra iniciada pela mesma consoante: super-resistente etc.

Prefixo Circum ou Pan + palavra iniciada por M, N ou qualquer vogal: pan-americano etc.

Prefixo VICE + palavra iniciada por qualquer letra: vice-presidente, vice-diretor etc.

Prefixos Além, Aquém, Recém,Sem, Ex, Pós, Pré ou Pró sempre terão hífen. Veja: recém-nascido, pós-doutorado etc.

Prefixo Sub + palavra iniciada por R: sub-raça, sub-região etc.

Utilizamos hífen nas palavras compostas derivadas com nomes próprios de lugares, com ou sem elementos de ligação: belo-horizontino, porto-alegrense etc.

Assim como em nomes de espécies de plantas e animais com ou sem elemento de ligação: erva-doce, bem-te-vi, peixe-espada, mico-leão-dourado etc.

Algumas expressões que utilizamos em nossos textos frequentemente que utilizam hífen, mas que, às vezes, podem nos confundir: bate-papo, bem-estar, mal-estar, mal-entendido, bem-vindo. bem-sucedido, público-alvo, palavra-chave etc.

Sem hífen

Prefixo terminado em vogal + palavra inicia com consoante R ou S duplicam-se: minissaia, contrarregra, microssistema etc.

Prefixo terminado em vogal + palavra iniciada por outra vogal se unem: antiaéreo, autoescola etc.

Algumas expressões que utilizamos em nossos textos frequentemente que não utilizam hífen, mas que, às vezes, podem nos confundir: dia a dia, pé de moleque, lado a lado, ponto de venda etc.

Conclusão

Fique atento para não se arrepender após um texto publicado. Leia e releia seu conteúdo e, se necessário, recorra ao dicionário impressos e ao online, que já estão alinhados ao novo Acordo Ortográfico. Temos certeza que, estudando e praticando, você não vai se esquecer mais.

Jornalismo
NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre comunicação e negócios

O responsável pelo tratamento dos seus dados pessoais é o DINO Divulgador de Notícias. Estes dados serão utilizados para lhe enviar informativos sobre os nossos serviços, além de utilizarmos para efeitos estatísticos. Para mais informações sobre como utilizaremos os dados, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.

Ao utilizar este formulário você concorda com a nossa Política. O DINO Divulgador de Notícias pode compartilhar estes dados com outras marcas do Grupo Comunique-se para a mesma finalidade.

Caso deseje se desinscrever, você pode fazê-lo a partir de algum e-mail já recebido (através da função descadastrar) ou nos contatando a partir do e-mail [email protected]

Para exercer os seus direitos de usuário para retificação ou remoção dos dados sensíveis, contate-nos através do e-mail [email protected]