Fotojornalismo como ferramenta social

Por DINO 11 de agosto de 2015
Fotojornalismo como ferramenta social

A fotografia é desde sempre fruto dos anseios da sociedade. Nascida na esteira da Revolução Industrial (http://www.infoescola.com/historia/revolucao-industrial/), transferia para máquinas a tarefa de registrar a realidade, feita até então pela mão humana. Permitia ainda, em sua evolução, a reprodução sem limites de cópias a partir de um original, de maneira mecânica. Enquanto as artes-plásticas mantinham (e mantém) em boa parte sua aura com base na percepção de exclusividade e restrição de acesso, a fotografia se torna uma forma de expressão importante quanto mais é percebida e se aproxima do público em geral.

O fotojornalismo, entre todas as áreas da fotografia, talvez seja o mais atingido por essa necessidade de refletir os desejos da sociedade. Antes de mais nada, jornalismo é trazer uma realidade restrita, desconhecida ou de influência na vida de um determinado público. Contar uma história de maneira compreensível para quem lê (assiste, ouve). Mostrar lados novos, ângulos diversos e às vezes divergentes de uma mesma questão. Inclui-se ai tanto a mera curiosidade pela vida mundana dos ricos e famosos quanto a denúncia, a fofoca e a luta pela democracia. A respeito dos caminhos do jornalismo na atualidade, vale ler o bom texto de Leandro Beguoci (http://projetodraft.com/a-reinvencao-do-jornalismo-spoiler-e-hora-de-abaixar-o-topete-mas-de-levantar-a-cabeca/).

dino divulgador de notícias

Neste cenário, importa a percepção do público a respeito do que quer ver na primeira página do jornal durante seu café da manhã. E isso já gerou questões éticas importantes como no caso das imagens do atentado em Madri, em 2004 (http://imagesvisions.blogspot.com.br/2009/03/polemica-manipulacao-de-uma-fotografia.html). Para quem produz imagens, pensar na melhor fotografia vai além de questões técnicas e estéticas e passa pela necessidade de contar uma história, responder ao máximo às questões: o quê? quem? quando? como? onde? por quê? (o lide clássico http://www1.folha.uol.com.br/folha/circulo/manual_producao_l.htm). Também entram em jogo a disponibilidade para ir onde o consumidor da notícia não iria, mostrar a cena a qual o receptor da informação não teria acesso. Isso sem contar a percepção do valor histórico do que se fotografa.

Foi assim quando Robert Capa (http://www.magnumphotos.com/C.aspx?VP3=CMS3&VF=MAGO31_10_VForm&ERID=24KL535353), um dos fundadores da agência Magnum e referência até hoje em fotojornalismo de guerra, desembarcou com as Tropas Aliadas na França durante os momentos finais da Segunda Guerra Mundial (http://mundoestranho.abril.com.br/materia/por-que-a-normandia-foi-escolhida-para-o-desembarque-do-dia-d). A ousadia de Capa custou sua vida, durante a cobertura de conflitos na Indochina. Não foi o único. A lista de fotojornalistas mortos durante coberturas ganha novos nomes ano a ano, tendo por base essa necessidade de ir onde o consumidor de notícias não pode (ou quer), para trazer novas realidades, outros olhares.

Por outro lado, com a popularização da fotografia digital e o aumento de acesso a câmeras e meios de transmissão, cada vez mais o “cidadão comum”, o fotógrafo não-profissional, se torna participante da produção fotojornalística. Foi assim com Tami Silicio, funcionária de uma empresa contratada pelo Governo dos EUA e que distribuiu imagens de caixões com corpos de soldados sendo embarcados no Kuait. Ela perdeu o emprego, mas mudou normas em relação a esse tipo de imagem e, mais importante, revelou uma realidade a qual, dificilmente, um fotógrafo profissional teria acesso. A história em mais detalhes está aqui (http://observatoriodaimprensa.com.br/caderno-da-cidadania/a-polemica-das-imagens-de-caixoes/).

Com isso, alguns pregam a morte do fotojornalismo (ou ao menos da profissão de fotojornalista). Quem pagaria para ter material de um profissional se qualquer um pode realizar a mesma imagem com um celular, basta estar no local certo e na hora certa? Outras vozes se elevam para comemorar a democratização da imagem como informação. Mais do que nunca está nas mãos do público, e não de alguns eleitos (ou dos veículos de comunicação) a escolha do que interessa ou não. E mais, a definição de como o que importa será revelado. Tempos de crise ética, estética, conceitual e comercial, mas de grandes oportunidades para o fotojornalismo.

Produzido em parceria com Dominou Cursos.

Jornalismo
NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre comunicação e negócios

O responsável pelo tratamento dos seus dados pessoais é o DINO Divulgador de Notícias. Estes dados serão utilizados para lhe enviar informativos sobre os nossos serviços, além de utilizarmos para efeitos estatísticos. Para mais informações sobre como utilizaremos os dados, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.

Ao utilizar este formulário você concorda com a nossa Política. O DINO Divulgador de Notícias pode compartilhar estes dados com outras marcas do Grupo Comunique-se para a mesma finalidade.

Caso deseje se desinscrever, você pode fazê-lo a partir de algum e-mail já recebido (através da função descadastrar) ou nos contatando a partir do e-mail [email protected]

Para exercer os seus direitos de usuário para retificação ou remoção dos dados sensíveis, contate-nos através do e-mail [email protected]