O que configura o plágio na produção de conteúdo?

Por DINO 29 de maio de 2018
O que configura o plágio na produção de conteúdo?

*** Este post foi redigido com auxílio de Gilberto Medeiros, sócio do escritório Martins de Almeida Advogados ***

Dar o crédito de informações postadas em seu site não é apenas uma questão de respeito ao autor. Mais do que isso, é uma obrigação legal. Quando desrespeitada, configura o plágio, que, numa definição livre, pode ser descrito assim:

Plágio é a reprodução integral ou parcial de uma obra intelectual que pertença a outra pessoa sem que sejam dados os créditos ao verdadeiro autor.

Ricardo Marques, do canal Obras Intelectuais no YouTube, explica que plágio é uma forma de violação grave de direito autoral, apesar de não ser a única. Justamente por ser grave, a legislação prevê punições severas.

“Não há nenhum texto de lei que fala de plágio. Isso é uma tarefa que ficou para a doutrina, que fechou questão há muito tempo de que o plágio se configura por uma imitação servil ou fraudulenta de obra alheia”.

Para que o plágio se configure, explica Marques, não basta apenas que uma obra seja utilizada sem autorização do autor. É preciso que ela tenha pouca ou nenhuma modificação — é a isso que ele se refere quando diz “imitação servil”. E, ainda, o plagiador precisa ter o intuito de se passar pelo autor verdadeiro. Daí o adjetivo “fraudulenta”.

 
dino divulgador de notícias

Plágio é diferente, portanto, de obras que são parecidas porque partem de uma mesma ideia central e acabam construindo narrativas semelhantes. Plágio diz respeito a imitação.

O que é e o que não é plágio

Segundo a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), algumas práticas caracterizam plágio. Como, por exemplo, estas duas:

  1. Publicar um texto original (integralmente ou em parte) exatamente como aparece no livro, site ou outra publicação de origem, sem referenciar o autor. O texto, afinal, será interpretado pelo leitor como de autoria daquele que republica o trabalho.
  2. Descrever com as suas palavras o trecho de um conteúdo de terceiros, porém sem citar a referência. Afinal, o efeito será o mesmo: induzirá o leitor a pensar ser você o autor verdadeiro do texto.

A UFRGS esclarece que determinadas situações não caracterizam plágio. Por exemplo, reproduzir as ideias de uma obra de terceiros com suas próprias palavras citando a fonte está perfeitamente de acordo com a lei. “É uma forma correta de agir durante a redação de um trabalho”, explica o documento da universidade.

Um documento publicado pela Vice-Reitoria Assuntos Acadêmicos da PUC Rio enumera três tipos de plágio, de acordo com o professor Lécio Ramos.

  • Cópia integral de um trabalho sem citar a fonte.
  • Cópia parcial de um trabalho sem citar a fonte. Entenda por “parcial” a colagem de parágrafos e frases no meio de um texto.
  • Cópia conceitual da essência da obra, apenas expressa de forma diferente da original.

O plágio pode se configurar na cópia de artigos, livros, músicas, filmes, marcas e muitas outras obras às quais o direito autoral for aplicável. As acusações de cópia indevida não são de hoje.

O site especializado em Direito Jusbrasil cita a acusação de plágio contra o autor inglês William Shakespeare, que viveu de 1564 a 1616. Ele foi acusado de plagiar a obra “Romeu e Julieta”. Havia, na época, cinco versões diferentes do drama, todas muito parecidas entre si. “Se o caso de Shakespeare ocorresse nos dias de hoje, provavelmente acabaria nos tribunais”, conclui o artigo.

Com mais conteúdos circulando hoje do que quatro séculos atrás, as acusações de plágio são também mais numerosas.

Em 2007, por exemplo, a 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul condenou uma dentista a pagar indenização de R$ 10 mil a uma colega por copiar trechos de uma dissertação de mestrado. O caso foi publicado pelo Conjur. Em julho de 2014, o SBT foi condenado a indenizar em R$ 350 mil a Rede Record, conforme noticiou o site Notícias da TV. O motivo: a Justiça entendeu que um quadro do programa Domingo Legal foi copiado de um extinto programa da Record.

São apenas dois exemplos para ilustrar os litígios frequentes envolvendo plágio.

Por que é preciso tomar cuidado?

Plagiar é errado por duas razões. Primeiro porque não é ético. Segundo porque é crime. A Contentools compilou sete menções contidas na legislação à cópia de conteúdo e teceu alguns comentários acerca delas.

  • Art. 5º, inciso XXVII, Constituição Federal. “Aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras (…).” Em outras palavras, os autores são detentores de seus direitos autorais, traduz a Contentools.
  • Art. 1228, Código Civil. “O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.” Por ser detentor dos direitos autorais, o proprietário tem o direito de utilizar sua obra — e mais ninguém.
  • Art. 7º, Lei dos Direitos Autorais (LDA). Obras intelectuais e protegidas são “criações do espírito, expressas por qualquer meio ou ­fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro”. Entre as obras intelectuais listadas estão as obras literárias, artísticas, científicas, conferências, adaptações e traduções.
  • Art. 22 a 24, LDA. Defi­nem como pertencentes ao autor os direitos morais e patrimoniais sobre a sua criação, conceituando direitos morais como o direito: “[…] de reivindicar, a qualquer tempo, a autoria da obra”; “[…] de ter seu nome, pseudônimo ou sinal convencional indicado ou anunciado, como sendo o do autor, na utilização de sua obra” e “[…] de conservar a obra inédita”.
  • Art. 29, LDA. Determina que “depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais como:” “[…] a reprodução parcial ou integral”, “[…] a edição; adaptação, o arranjo musical e quaisquer outras transformações” ou “[…] a tradução para qualquer idioma”.
  • Art. 33, LDA. Proíbe a reprodução de obra que não pertença ao domínio público, a pretexto de anotá-la, comentá-la ou melhorá-la, sem permissão do autor.
  • Art. 46, inciso III, LDA. Defi­ne que não constitui violação dos direitos autorais, “[…] a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fi­ns de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra […]”.

Como agir

Existe uma forma simples de não correr o risco de plagiar: ter o hábito de dar o crédito aos autores. Atribuir ideias e citações a outras fontes não apenas elimina o risco de desrespeitar direitos autorais como aumenta a credibilidade do seu texto.

Conteúdos que citam fontes — e apontam links para elas — são mais confiáveis não apenas para seres humanos mas também para o Google. Entre os muitos critérios de ranqueamento de resultados de buscas orgânicas, está a quantidade de links apontados para outros sites. Ou seja, dar o crédito ajuda, inclusive, para SEO.

Quando sofrer plágio

Outro problema é ter o seu conteúdo plagiado por terceiros. Existem ferramentas gratuitas que permitem verificar se um texto inteiro — ou trechos dele — são parte de uma outra página existente na web. O Plagium e o Write Check são alguns exemplos.

Outra forma de verificar se um texto foi plagiado é extrair do seu post ou matéria uma frase contendo pelo menos dez palavras. Copie a frase e a cole no Google, mas com um detalhe: coloque-a entre aspas. Porque, quando uma frase vem entre aspas, o Google faz a busca pela combinação exata — e não aproximada — daquelas palavras.

Se alguém tiver copiado seu texto, ele aparecerá nas buscas. Cabe a você acessar o texto que copiou e verificar se foi dado o crédito. Se sim, vale até agradecer. Se não, será o caso de tomar uma providência, que vai desde pedir amigavelmente ao plagiador que insira o crédito — ou, então, que apague o texto.

Em casos mais graves, você pode acionar um advogado para tomar providências legais, caso julgue que o plágio seja passível de uma medida mais dura.

Takeaway

Plágio se caracteriza pela cópia de conteúdo sem dar o crédito e com o intuito de se apropriar da autoria. Para não cometer plágio, tenha como conduta padrão dar o crédito. Para não ter seu conteúdo plagiado, use ferramentas próprias ou mesmo o Google.

Conteúdo
NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter e receba os melhores conteúdos sobre comunicação e negócios

O responsável pelo tratamento dos seus dados pessoais é o DINO Divulgador de Notícias. Estes dados serão utilizados para lhe enviar informativos sobre os nossos serviços, além de utilizarmos para efeitos estatísticos. Para mais informações sobre como utilizaremos os dados, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.

Ao utilizar este formulário você concorda com a nossa Política. O DINO Divulgador de Notícias pode compartilhar estes dados com outras marcas do Grupo Comunique-se para a mesma finalidade.

Caso deseje se desinscrever, você pode fazê-lo a partir de algum e-mail já recebido (através da função descadastrar) ou nos contatando a partir do e-mail [email protected]

Para exercer os seus direitos de usuário para retificação ou remoção dos dados sensíveis, contate-nos através do e-mail [email protected]